POLÍCIA APURA RELAÇÃO DE FRANK AGUIAR COM SUSPEITO DE TRÁFICO.
INQUÉRITO TAMBÉM INVESTIGA SUPOSTA INFLUÊNCIA DE EX-SECRETÁRIO DA SEGURANÇA PÚBLICA PARA LIVRAR VICE-PREFEITO DE SÃO BERNARDO NO CASO.
.
frankaguiarantonieta
 

O vice-prefeito de São Bernardo do Campo (SP), Frank Aguiar, candidato a deputado federal pelo PMDB, é investigado pela Polícia Civil de São Paulo por ter ligações com um suspeito de comandar rotas nacional e internacional de tráfico de drogas.

O mesmo inquérito apura ainda uma suposta rede de proteção a Frank Aguiar, para tentar livrá-lo da investigação, da qual teria participado o ex-secretário da Segurança Antonio Ferreira Pinto, também candidato à Câmara dos Deputados.

Segundo documentos obtidos pela Folha de São Paulo, Frank aparece em várias escutas telefônicas com Jailson Lopes de Souza, o Jabá, largamente conhecido nos meios policiais como traficante internacional de entorpecentes.

Essas interceptações, com autorização judicial, ocorreram em investigação iniciada pela polícia após uma apreensão de 230 quilos de cocaína ocorrida em 2011, em Itu (101 km de São Paulo).

As escutas demonstraram que Souza, segundo o relatório policial, explorava o prestígio de Frank para beneficiar uma rede de empresas-fantasmas para lavagem de dinheiro do tráfico e venda de combustível adulterado.

Em uma das conversas, o vice-prefeito é indicado por Jabá a um empresário do Nordeste para tentar desenrolar a venda de uma concessionária da Volkswagen, pertencente a esse empresário, com a cúpula da montadora.

Souza passa o número do celular pessoal de Frank ao empresário e lhe dá a senha: dizer que vai sobrar uma quirela para o político.

As conversas mostram, ainda, que ambos participam de eventos juntos, são vizinhos e trocam visitas.

Segundo o relatório da polícia, a casa de 949 m² em que Frank Aguiar mora no condomínio Swiss Park, em São Bernardo, está registrada em nome do suspeito de tráfico internacional.

Embora o inquérito tenha suspeitas graves, principalmente contra Souza, ele ficou parado de abril de 2012 até fevereiro deste ano. Isso aconteceu, segundo documentos, após dois investigadores serem afastados do caso.

Ouvidos em setembro, os policiais afirmaram que o afastamento deles ocorreu após ordem direita do então secretário Ferreira Pinto, conforme puderam ouvir em ligação telefônica com seu chefe.

Além disso, os policiais dizem que o relatório anexado no inquérito foi fraudado. O documento produzido por eles, com cinco páginas a mais que as três anexadas, continha citações a Frank.

No relatório supostamente fraudado a participação do cantor e político não aparece em nenhuma linha.

A polícia já pediu à Justiça autorização para buscas nas casas de Frank e de Souza.

Fonte: Folha de São Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s