MINISTRO ANTÔNIO CARLOS RODRIGUES (PR-SP) É ALVO DE AÇÃO JUDICIAL MILIONÁRIA DE SÃO PAULO.

Publicado: 10/01/2015 em Esporte, Governo, Guarujá, Humor, inconfidencia, inconfidentes, manoel antonio vergara, Notícias, Política
Tags:, , , , , , ,

SÃO PAULO COBRA INDENIZAÇÃO MILIONÁRIA DO NOVO MINISTRO DOS TRANSPORTES DA DILMA.
ANTÔNIO CARLOS RODRIGUES (PR-SP) É ALVO DE AÇÃO JUDICIAL NA QUAL O ESTADO DE SÃO PAULO PEDE INDENIZAÇÃO PELA SUPOSTA CONCESSÃO INDEVIDA DE REAJUSTES CONTRATUAIS EM FAVOR DE EMPRESAS NA GESTÃO DELE NA EMTU.
 

 

O novo ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues (PR-SP), é alvo de ação judicial na qual o Estado de São Paulo pede indenização pela suposta concessão indevida de reajustes contratuais em favor de empresas na gestão dele como diretor-presidente da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos).

As supostas irregularidades foram apontadas pelo TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo), que considerou injustificáveis aditivos contratuais firmados por Rodrigues e outros gestores.

Dez aditivos aumentaram em 74% o valor de um contrato com empresas de transporte, percentual classificado de exorbitante pelo TCE.

O atual ministro de Dilma assinou cinco desses aditivos.Ele, porém, argumenta que uma perícia contábil feita durante o processo judicial concluiu que as alterações nos valores eram justificáveis.

A ação foi movida em 2007 pela própria EMTU contra Rodrigues, outros três gestores da época e as três empresas contratadas. Não há sentença ainda, mas o processo já está na fase final.

A EMTU contesta a alegação da perícia, afirmando que os cálculos comprovam que o reajuste contratual foi em muito superior aos reajustes salariais dos funcionários, motoristas e cobradores.

O prejuízo cobrado conjuntamente dos sete réus é de R$ 9,2 milhões, em valores de 2004, o que atualizado chega a cerca de R$ 17 milhões.

O contrato inicial foi firmado em 1992 para operação e manutenção de 46 trólebus, com um consórcio de três empresas. Os aditivos foram assinados entre 1993 e 1996.

Ao assinarem os termos aditivos ilegais, [os gestores] quebraram o dever do administrador público de velar pela observância do princípio da legalidade, argumentou a EMTU na ação.

Rodrigues foi indicado ao Ministério dos Transportes por seu partido, o PR, comandado informalmente pelo ex-deputado  Valdemar Costa Neto, que cumpre pena em regime aberto por sua condenação no mensalão.

O ministro, que é suplente da senadora Marta Suplicy (PT-SP), agora comanda no governo federal a mesma área na qual é acusado de irregularidades em São Paulo.

A Folha já mostrou que Rodrigues foi condenado pelo Tribunal de Justiça de SP, acusado de contratar ilegalmente uma empresa de locação de mão de obra na EMTU. Mas o STJ anulou a sentença citando uma falha processual e determinou o recomeço da ação.

Fonte: Folha de São Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s